No Amazonas, vice-presidente de agremiação de ciranda é preso por estuprar adolescente

A vítima conheceu o homem, por meio de um aplicativo de mensagens instantâneas, que se passou por uma menina

Foto: Reprodução

MANACAPURU – Na tarde da última terça-feira (21), a equipe de investigação da Delegacia Especializada de Polícia (DEP) de Manacapuru, sob comando da delegada, Roberta Merly, titular da unidade policial, cumpriu mandado de prisão por estupro de vulnerável, em nome do vice-presidente de uma das agremiações de ciranda do município, um homem de 39 anos. Ele se apresentou espontaneamente na delegacia, acompanhado do advogado. A vítima é uma adolescente de 15 anos.

Conforme a autoridade policial, o crime ocorreu na noite do dia 27 de dezembro de 2019, por volta das 18h30. Na ocasião, a vítima conheceu o homem, por meio de um aplicativo de mensagens instantâneas, que se passou por uma menina. No dia mencionado, eles marcaram um encontro no galpão da agremiação, localizado no bairro Terra Preta, em Manacapuru.

A delegada explicou que, no dia do crime, após encontrar a adolescente, o homem alegou para a vítima que era pai da menina que estava falando com ela durante a troca de mensagens.

“Ele falou para a menina que a suposta filha dele estava chegando ao local, porém a menina não chegou. Depois de ameaçar, ele abusou sexualmente da vítima. Após o crime, a vítima falou sobre o abuso para a mãe dela, que veio à delegacia formalizar a denúncia”, disse Merly.

Uma ordem judicial em nome do suspeito foi expedida no dia 12 de janeiro, pelo juíza Silvana Corrêa Ferreira, da Comarca de Manacapuru. Após o ordem ser expedida, o homem se apresentou à delegacia do município, onde foi preso.

O homem foi indiciado pelo crime de estupro de vulnerável. Após os trâmites cabíveis, o suspeito foi levado para a carceragem da unidade policial.