EUA restringe visto de mulheres grávidas para evitar ‘turismo de nascimento’

Mulheres terão de comprovar, motivos específicos para permanecerem no país americano em datas após o parto.

Washington- Nova regra do Governo de Trump publicada nesta quinta-feira (23), tem a finalidade de evitar que mulheres viagem para os Estados Unidos da América (EUA), com intuito de ter seus filhos no país, e assim conseguirem a cidadania para as crianças. A regra entra em vigor nesta sexta-feira (24), e mulheres grávidas terão de apresentar motivos plausíveis para permanecer em solo americano em datas previstas depois de seus partos, como por restrição e necessidade médica por exemplo.

A regra indica que oficiais dos consulados examinem mulheres para determinar se elas podem estar grávidas, mas não indica como devem proceder. O Departamento de Estado informou que a questão não deve ser levantada para todas as mulheres, apenas aquelas que não derem uma razão específica para esclarecer que o único motivo se trata de ter o bebê.

Não há leis no país que permitam essa prática, mas a leis que asseguram que os agentes de consulado possam exigir que os viajantes  provem que têm como financiar os procedimentos médicos para o parto, se esse for o motivo da viagem. Empresas dos Estados Unidos foram acusadas de promover e favorecer o turismo de nascimento, forjando falsos documentos comprobatórios para esconder a ideia de mulheres darem a luz no país.

O Departamento afirma que nãos será uma tarefa fácil, pois as agências de viagem não costumam emitir dados sobre a razão das viagens de estrangeiros. E afirma que o número de turismo por nascimento cresceu nos últimos anos.

Foto: Arquivo/Internet.

Fonte: Folha de São Paulo.